Telescópio James Webb teria encontrado Deus?, questiona escritor


Você já viu as primeiras composições coloridas de tirar o fôlego do Telescópio Espacial James Webb? A quase 1,6 milhão de quilômetros da Terra, o incrível telescópio pode detectar a luz infravermelha mais fraca nos confins do espaço.

A escala de vastidão está fora dos gráficos, com imagens, diz a NASA, “de milhares de galáxias antigas, bilhões de estrelas perdidas e trilhões de planetas mortos há muito tempo”.

Dada uma conquista científica tão surpreendente, ousaria jogar uma colher de água fria no projeto ambicioso? No entanto, não se pode deixar de se perguntar sobre as alegações da NASA sobre a idade do universo.

A premissa de trabalho é que quanto mais longe Webb puder olhar para o universo, mais próximo no tempo chegamos da origem do universo. Essa premissa é realmente verdadeira?

De acordo com o administrador da NASA, Bill Nelson, a equipe Webb planeja olhar para o passado, quando as luzes foram acesas pela primeira vez no universo: “Vamos olhar para 13,5 bilhões de anos atrás, apenas algumas centenas de milhões de anos após o início”.

Portanto, a caçada está para quando “as primeiras estrelas foram criadas” (através de um processo evolutivo de desdobramento aleatório), uma diferença sutil, mas significativamente diferente de quando “as estrelas foram criadas pela primeira vez” (através de um ato instantâneo de criação divina).

‘Haja luz!’

Quando se trata de calcular distância e tempo, erre no ponto de partida e as conclusões erradas seguem, como na “falácia do radar policial”. Suponha que um guarda de trânsito flagra no radar um carro a 140 KM/h.

Pode-se concluir logicamente que uma hora antes o carro estava a 140 quilômetros de distância, mas é muito mais provável que o motorista tenha entrado na estrada algumas milhas adiante e acelerado para 140 KM/h.

Nesse caso, extrapolando a partir dos 140 KM/h observado pelo radar para a conclusão de que o carro estava a 140 quilômetros de distância uma hora antes é bastante lógico, mas errado.

Então, quando começou a expansão do universo e quando a luz começou a se afastar na velocidade da luz? Foi há bilhões de anos em algum momento do “Big Bang” quando um processo não guiado e sem propósito de evolução cósmica começou? Ou houve repentina e instantaneamente um universo em funcionamento de uma só vez – expandindo-se da palavra “ir”, completo com luz em movimento de uma extremidade do universo à outra? Como em “haja luz!”.

A “pesquisa Webb” da NASA assume que ver uma distância maior indica um tempo maior. Mas qual é o ponto de partida crucial? Tendo descartado filosoficamente qualquer possibilidade de uma criação divina, a NASA fica com uma correlação de distância com o tempo do “radar policial” que pode ou não ser verdade.

O que mais importa, é claro, não é a idade do universo, seja bilhões de anos ou apenas alguns milênios, mas se a “história de criação” da NASA de um universo irracional e em evolução aleatória é realmente verdadeira.

Acreditar que nosso universo incompreensivelmente vasto e intrincado se auto montou aleatoriamente ao longo do tempo (assim como o próprio Telescópio Webb intrincadamente projetado) é mais ficção científica do que ciência.

Em vez de ver todo o caminho de volta aos primeiros estágios do tempo, a NASA não pode ver além do final de seu nariz naturalista.

Por mais maravilhosas que sejam as descobertas de Webb, a história que nos contam de um universo irracional não é nada para comemorar. Se o próprio universo não tem significado, então você e eu também não.

Quanto mais podemos ver, mais cegos nos tornamos. Houve um tempo em que os cientistas olharam para cima e proclamaram: “Quão grande és Tu!” Com a NASA não vendo nada de Deus, seu “hino” hoje é “Quão grandes somos nós”.

Artigo de F. LaGard Smith, escritor e professor aposentado de Direito na Pepperdine University. Originalmente publicado pelo portal The Christian Post.





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.