Budistas de Mianmar torturam cristãos arrancando unhas e dentes


Relatórios de diversas entidades, incluindo a ONU, apontam que a situação das minorias religiosas de Mianmar, incluindo os cristãos, é de perseguição extrema, com sessões de tortura conduzidas por budistas extremistas que apoiam o golpe nacionalista-militar no país.

Tom Andrews, o relator especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos em Mianmar, disse em um relatório que “os ataques implacáveis da junta [nacionalista budista] contra as crianças ressaltam a depravação e a disposição dos generais de infligir imenso sofrimento a vítimas inocentes em sua tentativa de subjugar o povo de Mianmar”.

“Recebi informações sobre crianças que foram espancadas, esfaqueadas, queimadas com cigarros e submetidas a execuções simuladas, e que tiveram suas unhas e dentes arrancados durante longas sessões de interrogatório”, acrescentou o relator da ONU.

Nos últimos 16 meses, os militares mataram pelo menos 142 crianças em Mianmar, acrescentou o relatório assinado por Andrews: “Mais de 250 mil crianças foram deslocadas pelos ataques dos militares e mais de 1.400 foram detidas arbitrariamente. Pelo menos 61 crianças, incluindo várias com menos de 3 anos de idade, estão sendo mantidas como reféns. A ONU documentou a tortura de 142 crianças desde o golpe”.

Andrews alertou: “Os ataques da junta às crianças constituem crimes contra a humanidade e crimes de guerra. O líder da Junta, Min Aung Hlaing, e outros arquitetos da violência em Mianmar devem ser responsabilizados por seus crimes contra crianças”.

Outra entidade, a International Christian Concern (ICC) – dedicada a monitorar a perseguição religiosa a cristãos ao redor do mundo – também citou o caso de uma igreja católica que foi queimada no estado de Kayah pelo exército do país, chamado Tatmadaw.

A Igreja de São Mateus foi incendiada por soldados da junta na quarta-feira da semana passada, 15 de junho: “Este é um dos muitos ataques contra crentes cristãos desde a tomada militar do governo democraticamente eleito”, disse a ICC.

Em outro comunicado, a ICC afirma que o sofrimento imposto pelos budistas extremistas em Mianmar às crianças de minorias religiosas ao mesmo tempo em que destroem locais de culto “indica o desejo da junta de espalhar a religião budista e parar os cristãos que apoiam as forças de defesa locais contra o golpe”.

De acordo com informações do portal The Christian Post, Mianmar é o país do Sudeste Asiático que vive a mais longa Guerra Civil do mundo, que começou em 1948. O atual conflito entre os militares do país, os Tatmadaw, e as milícias de minorias étnicas aumentou após o golpe militar em 1º de fevereiro de 2021, já que as milícias étnicas são apoiadoras da democracia.

Os cristãos representam pouco mais de 7% da nação majoritariamente budista. Mas os cristãos são maioria no estado de Chin, que faz fronteira com a Índia, e no estado de Kachin, que faz fronteira com a China, e compõem uma parte substancial da população do estado de Kayah, que faz fronteira com a Tailândia.





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.