Malafaia volta a criticar ministros do STF: “Estão zombando do povo”


O pastor e empresário Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo para fazer novas críticas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Na gravação, o religioso diz que eles “estão zombando do povo brasileiro”.

“É gravíssimo o momento que estamos vivendo na história do nosso país. Tantas aberrações jurídicas cometidas pelo STF, uma vergonha o que tá acontecendo”, declarou o pastor, ao introduzir a sua fala.

Inicialmente, Malafaia se referiu à cassação do mandato do deputado estadual Fernando Francischini, acusado de propagar supostas fake news nas eleições de 2018. O pastor considerou a decisão absurda, uma vez que não existe tipificação no Código Penal brasileiro sobre a divulgação de informações supostamente falsas.

Malafaia também voltou a criticar o atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, assim como Alexandre de Moraes, responsável pela condução do polêmico inquérito das fake news, afirmando que eles deveriam ter “vergonha na cara” por integrar o TSE.

O pastor disse que Fachin foi um “militante” pró-PT antes de ser ministro, e que ele teria “livrado a cara” de Lula em uma decisão no âmbito do STF, a fim de torná-lo elegível este ano. A mesma narrativa tem sido apresentada pelo presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

Conforme o noticiado pelo GospelMais, Fachin realizou uma reunião esta semana com lideranças religiosas, a fim de buscar apoio em defesa da lisura das eleições este ano. Malafaia, por sua vez, também reagiu à iniciativa, dizendo que ela teria por objetivo “blindar” o TSE contra as críticas que vem sofrendo.

“Eu só acredito que um líder religiosos vá aparecer na reunião hoje se ele for alienado, está por fora desses fatos ou é esquerdopata. Um líder religioso que sabe das coisas não vai cair nesse jogo. Nós não vamos ser usados por esses interesses mesquinhos”, disparou o pastor. Assista:

Assine o Canal





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.