Estado veta “mudança de sexo” em crianças e trans em esporte feminino


Avançar contra a ideologia de gênero é uma meta estipulada por conservadores no mundo inteiro. Não por acaso, sempre que uma medida política corrobora com essa finalidade, o motivo é de felicidade. É assim que parte da população do estado do Arizona, nos Estados Unidos, está se sentindo, após a aprovação de uma lei que proíbe a “mudança de sexo” em crianças.

A lei agora precisa ser sancionada pelo governador Doug Ducey, do partido Republicanos. O projeto também proíbe a inclusão de atletas transexuais do sexo biológico em competições esportivas femininas.

A polêmica envolvendo a participação de atletas trans em competições femininas ganhou repercussão mundial, após a vitória do nadador Lia Thomas no Campeonato de Natação da I Divisão Feminina Nacional dos EUA.

“Este projeto de lei para mim é tudo sobre biologia. Na minha opinião, é injusto permitir que homens biológicos concorram com esportes de meninas biológicas”, disse a republicana Shawnna Bolick, segundo a CBN News.

No tocante às cirurgias para “mudança de sexo” em crianças, o deputado John Kavanagh, também do partido Republicano, chamou de “mutilação” a prática. “É irreversível. É horrível”, disse ele ao se colocar a favor da lei aprovada no Arizona. O estado já é o 20° dos EUA a aprovar lei semelhante.

Na Flórida, por exemplo, o governador Ron DeSantis fez questão de celebrar o momento em que assinou uma lei proibindo o ensino da ideologia de gênero nas escolas, bem como a oferta de serviços de saúde que promovam a “mudança de sexo” infantil.

“Hoje, assinei a HB 1557, a Lei dos Direitos dos Pais na Educação”, disse Ron em suas redes sociais, nesta segunda-feira (28). “Ela garante que os pais possam enviar seus filhos ao jardim de infância sem que a ideologia de gênero seja injetada na instrução”.

Segundo o governador, em caso de violação por parte da escola, os pais também “serão notificados e terão o direito de recusar os serviços de saúde oferecidos” aos filhos. Veja o momento da assinatura do texto, abaixo:

Assine o Canal





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.