Leonardo Gonçalves estará em podcast, após o polêmico “Ato pela Terra”


O cantor e compositor Leonardo Gonçalves participará no próximo dia 28 do podcast SIMpodCRER, criado pelo jornalista e influenciador Sérgio Pavarini. Diferentemente do que havíamos noticiado em outra matéria, com base na leitura isolada de uma peça publicitária anunciando outros nomes, o bate-papo virtual não contará com outros participantes na edição da próxima segunda-feira.

No noticiário anterior, o Gospel Mais destacou a participação de Alexya Salvador, a primeira “pastora trans” (homem biológico) brasileira, além de Vitor Kivitz, filho do pastor Ed René Kivitz, ambos no mesmo evento. Contudo, tais pessoas participarão em dias diferentes do podcast.

Gonçalves, por sua vez, terá a oportunidade de comentar sobre a sua participação em outro evento, denominado “Ato pela Terra”, convocado pelo cantor Caetano Veloso e realizado em Brasília no dia 9 desse mês.

O cantor participou da programação ao lado de artistas como Nando Reis, Seu Jorge, Emicida, Criolo, Maria Gadú, Bruno Gagliasso, Daniela Mercury e figuras políticas ligadas à esquerda brasileira, como o senador Randolfe Rodrigues, tendo a oportunidade de falar ao público.

O Ato pela Terra alega ter como objetivo protestar contra a exploração de terras indígenas (PL 191/2020) para a mineração, bem como contra o uso supostamente nocivo de agrotóxicos (PL 6.299/2002) no meio ambiente.

Para Gonçalves, de fato, o evento foi uma manifestação “contra o pacote da destruição que visa destruir e degradar a criação de DEUS através de leis que atacam nossos biomas e povos tradicionais!”, disse ele em sua conta no Facebook.

Parte do público cristão conservador, no entanto, viu a participação de Leonardo Gonçalves no “Ato pela Terra” como um apoio às pautas da esquerda, onde temáticas liberais no campo da moral e dos costumes são normalmente defendidas, o que gerou críticas ao cantor.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, vem defendendo a necessidade de expandir a exploração dos recursos minerais no Brasil, especialmente o potássio, elemento fundamental para a fertilização na agricultura.

Com o desenrolar da guerra na Ucrânia e a oscilação do mercado externo devido às consequências da pandemia, a intenção do governo é tornar o Brasil mais independente na importação desses recursos.

“Agora então, com essa crise internacional dado à guerra, o Congresso sinalizou votar esse projeto em regime de urgência. Espero que seja aprovado na Câmara já em março e daqui a 2 ou 3 anos possamos dizer que não somos dependentes da importação de potássio para o nosso agronegócio”, disse o presidente sobre o PL 191/2020, segundo o Poder360.





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.