Deputada é punida por dizer que “esportes femininos são para mulheres”


O avanço da ideologia de gênero sobre as diretrizes das mídias sociais tem provocado um verdadeiro cerco aos conservadores em diferentes partes do mundo, bem como a quem defende conhecimentos científicos básicos, como as diferenças biológicas entre homens e mulheres no mundo esportivo.

Em um caso recente, por exemplo, a deputada Vicky Hartzler, candidata ao Senado americano pelo Republicanos, teve a sua conta no Twitter bloqueada, após fazer uma publicação onde afirmou que “esportes femininos são para mulheres” biológicas e não para transgêneros.

“Esportes femininos são para mulheres, não homens fingindo que são mulheres”, publicou a deputada. A postagem de Vicky parece ter sido uma crítica indireta à Lia Thomas, um homem biológico que se declara transexual e compete entre as mulheres na natação.

Logo após a publicação, a conta de Vicky foi suspensa pelo Twitter. Segundo um comunicado feito pelo porta-voz da plataforma ao The Hill, a deputada foi punida porque teria violado a política de conduta odiosa da empresa, caracterizada de assédio ou violência direcionadas a grupos ou indivíduos com base em sua identidade, gênero ou orientação sexual.

“O proprietário da conta precisará excluir o Tweet violador e passar 12 horas no modo somente leitura antes de recuperar o acesso total à sua conta”, disse o funcionário. A assessoria de comunicação política da deputada, no entanto, negou que ela vá excluir o conteúdo.

Em vez disso, disseram que a punição imposta pelo Twitter é “vergonhosa, totalmente ridícula e um abuso horrível de censura por parte de grandes gigantes da tecnologia para sufocar a liberdade de expressão”.

Para o autor cristão e apresentador Dr. Michael Brown, o grande problema das medidas autoritárias tomadas pelas mídias sociais não é a definição das próprias regras, em si, tendo em vista que são empresas privadas, mas sim o aparente tratamento desigual para com o público, especialmente quando envolve os cristãos.

“Nossa questão é censurar as coisas de um lado e não do outro”, explicou Brown, segundo a Faithwire.  “Uma coisa é se uma plataforma disser: ‘Ei, essas são nossas diretrizes: elas são muito restritas, são muito claras. Se você quer fazer parte disso, então faça isso.’ Outra coisa é quando eles realmente são injustos com cristãos e conservadores”,





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.