governo Biden articula aprovação de lei radical


Joe Biden, apesar de se declarar católico, está articulando com os principais parlamentares do Partido Democrata na Câmara e no Senado dos EUA para dar andamento a um projeto que legalizaria o aborto até o nascimento.

A revelação foi feita pela porta-voz oficial da Casa Branca, Jen Psaki, durante uma entrevista coletiva na última sexta-feira, 21 de janeiro. A determinação é que haja uma pressão nas Casas para que o projeto, chamado oficialmente Lei de Proteção à Saúde da Mulher (HR 3755), seja aprovado antes das eleições legislativas.

Psaki afirmou que o presidente Joe Biden “continua a trabalhar com o Congresso” para aprovar o projeto de lei considerado o mais radical sobre o aborto já apresentado nos Estados Unidos.

O título dado à lei, um eufemismo para o que ela representa e possibilidades de assassinato de bebês às vésperas de seu nascimento, funciona como uma ferramenta de propaganda.

“A Lei de Proteção à Saúde da Mulher foi projetada para remover todas as proteções legais para crianças não nascidas nos níveis federal e estadual”, disse Carol Tobias, presidente do National Right to Life (NRLC).

“A Lei de Proteção à Saúde da Mulher é, na verdade, a Lei do Aborto Sem Limites até o Nascimento”, acrescentou Carol, de acordo com informações do portal Life News.

A ativista pró-vida acrescentou que “os únicos a se beneficiar desta legislação seriam os abortistas e provedores de aborto, como a Planned Parenthood”, a maior rede particular de clínicas de aborto, envolvida em uma série de escândalos em todos os EUA.

“Essa legislação põe em risco as mulheres e seus filhos não nascidos. [Se aprovada] expandiria o financiamento do aborto pelo contribuinte e não exigiria mais que uma mulher recebesse informações sobre o desenvolvimento de seu filho ainda não nascido”, alertou Carol.

Entre as leis protetivas que o projeto de lei anularia estão exigências de oferta de informações específicas sobre o feto e sobre alternativas ao aborto às mulheres que buscarem esse procedimento; leis que preveem períodos de reflexão (espera); leis que permitem que profissionais médicos optem por não atender abortos; leis que limitam a realização de abortos a médicos licenciados; proibição do aborto eletivo após 20 semanas, quando o nascituro é capaz de sentir dor; e a proibição do uso do aborto como método de seleção de sexo.

As leis de seleção anti-sexo geralmente têm amplo apoio público nos estados em que são promulgadas, incluindo o apoio de maiorias substanciais de mulheres. O projeto de lei também desfaria a maioria dos limites federais anteriormente promulgados sobre o aborto, incluindo leis federais de proteção à consciência e a maioria, se não todos, os limites ao financiamento governamental do aborto.

“De acordo com grupos pró-aborto, se esta lei for promulgada, o aborto sob demanda seria permitido em todos os 50 estados, mesmo se [o precedente do caso] Roe versus Wade for enfraquecido ou derrubado. O aborto eletivo se tornaria o procedimento que sempre deve ser facilitado – nunca atrasado, nunca impedido, nem um pouco”, disse Jennifer Popik, JD, diretora da Legislação Federal para o Direito Nacional à Vida.

“Esta legislação invalidaria quase todas as limitações estaduais existentes sobre o aborto”, resumiu.





Gospel Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.